Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
03/10/2017
Suinocultura
Sindicarne comemora ampliação do mercado
A abertura do mercado peruano para a carne suína brasileira pode repercutir positivamente em Santa Catarina

MB Comunicação

A abertura do mercado peruano para a carne suína brasileira – anunciada nesta semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – pode repercutir positivamente em Santa Catarina. O diretor executivo do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados (Sindicarne) Ricardo de Gouvêa observa que, embora não haja projeção de vendas potenciais, o fato de ser um mercado próximo torna mais fácil a operação exportacionista.

O anúncio foi feito pelo ministro Blairo Maggi durante missão oficial ao Peru. O Ministério da Agricultura brasileiro prevê que os ajustes bilaterais para a abertura do mercado deverão ocorrer até 30 de novembro.

O Sindicarne avalia que o acordo representa uma importante conquista para o setor de proteína animal do Brasil, que será beneficiado com a expansão dos negócios na América do Sul, uma região com expressiva participação nos embarques da carne suína brasileira. 

Ricardo de Gouvêa destaca que a qualidade da carne brasileira, o estágio avançado das indústrias de processamento de carne, a segurança do sistema de inspeção e a tradição de sanidade do Brasil – e, em especial, Santa Catarina que é área livre de aftosa sem vacinação – foram determinantes nessa conquista.

“É fundamental aumentarmos a participação do Brasil nos mercados mundiais e ampliarmos as relações comerciais com os países sul-americanos dentro e fora do bloco do Mercosul”, analisa o diretor executivo.

De acordo com a Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA), entre os dez maiores importadores de carne suína do Brasil situam-se três da América do Sul. A Argentina lidera as importações na região, com 21,3 mil toneladas nos oito primeiros meses deste ano. Em seguida vem o Uruguai, com 20 mil toneladas, e Chile, com 14 mil toneladas.

A abertura do Peru pode influenciar positivamente os embarques de carne suína brasileira, especialmente a partir de 2018. Trata-se de um valioso mercado, com mais de 30 milhões de habitantes e com potencial de crescimento de consumo, no qual o Brasil poderá complementar a demanda, auxiliando a segurança alimentar da população.

Tags: